Artigo - Quando os Rios Correm Secos

Quando os Rios Correm Secos

Passada a Rio+20, muitos assuntos importantes para nossa civilização foram discutidos por representantes governamentais de todos os países e pela sociedade civil. Vale a pena, então, refletirmos um pouco sobre as questões ligadas ao uso do nosso recurso mais vital, precioso e insubstituível, a água, especialmente a dos rios do planeta.

Qual o real impacto humano nos rios e outros sistemas hídricos terrestres? Como exploramos e para que fins usamos a água doce nos diversos países e continentes? O que a história recente nos ensina sobre intervenções humanas desastrosas sobre os corpos de água doce que afetaram o funcionamento de ecossistemas e causaram danos à vida humana?

Essas e outras importantes questões são tratadas por Fred Pearce no livro "When the Rivers Run Dry" (Quando os Rios Correm Secos). Segundo o autor, nada, nem mesmo o aquecimento global, terá consequências tão graves sobre o futuro da humanidade do que o destino de nossos rios.

As questões geopolíticas do uso da água entre países que dividem bacias hidrográficas serão cada vez mais complexas, bem como o comércio da água virtual1 incorporada em alimentos comercializados globalmente. Enquanto alguns países aliviam a sua escassez hídrica por meio da importação desses alimentos, outros acentuam seus problemas relacionados à água exportando-os.

O autor percorre diversos países, analisando as consequências de intervenções do homem sobre os mais importantes rios, especialmente a construção de barragens, o sobreuso de água para irrigação, grandes obras de engenharia para desvio e transporte de água em longas distâncias, a superexploração de aquíferos, entre outros.

Estamos diante de verdadeiras tragédias anunciadas no que diz respeito à perda crescente de biodiversidade, assoreamento, salinização e decrescimento de área geográfica de lagos e rios, desertificação e eliminação de áreas alagadas que costumavam fornecer alimento e renda para grandes populações, além da diminuição assustadora do volume de água dos rios em função de todas essas intervenções.

Mais do que apontar problemas, também são apresentadas soluções, algumas milenares, para que o homem busque outras formas de captação e uso da água.

A dessalinização de água dos oceanos, captação de água da chuva em larga escala e até mesmo captação da água da atmosfera são exemplos de alternativas.

Alguns dos principais rios do planeta já não chegam ao mar e estão literalmente secando. Um poderoso argumento apresentado por Fred Pearce é o de que deveríamos intervir menos em nossos rios e deixar que a natureza, com sua sabedoria infinita, volte a regular os recursos hídricos em seus ciclos naturais de estiagens e inundações. Voltar ao designnatural - simples assim. Esse talvez seja um dos melhores resultados que poderíamos esperar da Rio+20.

 

1 a água virtual é aquela gasta durante todo o ciclo de produção de determinado alimento e que está virtualmente "incorporada" a ele.

 

Artigo produzido por Letycia Janot e Maria Fernanda Franco, também publicado no site Greenvana Style, disponível clicando aqui 


Categoria: Artigo

Publicado em:

 
 
© 2011 Iniciativa Água na Jarra. Todos os direitos reservados - www.aguanajarra.com.br

 Busca   |   Contate-nos   |   Cadastre-se   |
By Redbit