Artigo - O Minimalismo e o Consumo Responsável

O Minimalismo e o Consumo Responsável

Há algum tempo atrás Joshua Millburn e Ryan Nicodemus eram dois jovens amigos americanos lidando com questões muito comuns para a geração que hoje está na faixa dos 30 anos de idade. Entre suas preocupações estavam o crescimento profissional e a administração de débitos adquiridos para aquisição de imóvel próprio e outros bens de consumos necessários (ou não) na busca de um padrão de vida considerado 'satisfatório'. Porém ao longo do caminho e devido a diversas circunstâncias pessoais, Joshua e Ryan perceberam que à medida em que ocorria sua ascensão profissional e social, na mesma proporção crescia o sentimento de infelicidade e de piora da qualidade de suas vidas. Insatisfeitos com o rumo pessoal e profissional de suas vidas, decidiram se juntar a um movimento crescente, o minimalismo1

O movimento minimalista busca trazer de volta a simplicidade da vida e repensar as prioridades pessoais valorizando a saúde, os relacionamentos, a família, o lazer e a realização profissional genuína. É pautado na busca pelo bem estar e felicidade e por isso implica mudarmos a forma de nos relacionarmos com as coisas materiais e praticarmos o desapego ao consumo por si só, já que os bens que possuímos ou consumimos, em última instância não podem nem devem definir quem somos. Resumindo, o minimalismo prega a máxima de que mais é menos. Apesar de não de ser um movimento que se declare explicitamente pró sustentabilidade, seguramente vai de encontro à necessidade humana de exercer a prática do consumo responsável como uma das maneiras de assegurar um futuro viável para nosso planeta.

E as corporações, estão preparadas para estes novos consumidores que estão surgindo? Possivelmente não, mas se existe uma empresa atualmente que possa se auto intitular responsável, esta é a fabricante americana de roupas Patagônia. Em um livro lançado em 20122, seu fundador, Yvon Chouinard, conta porque a Patagônia se tornou um exemplo a ser seguido. A empresa tem foco na qualidade e durabilidade das roupas que produz, vem implantando inúmeras inovações para melhoria de seu desempenho ambiental (como o uso de algodão orgânico e substituição de processos fabris e materiais poluentes), mas acima de tudo busca educar o seu cliente para o consumo responsável. Entre as iniciativas estão o conserto ou a reciclagem de roupas antigas e o incentivo ao não consumismo. A Patagônia é uma empresa muito bem sucedida, que gasta pouquíssimo com propaganda. Quando o faz é para dizer aos clientes que pensem antes de adquirir seu produto, avaliando se a compra é mesmo necessária.

Uma coisa é certa: seja no movimento do minimalismo, seja através do ativismo empresarial protagonizado por empresas como a Patagônia, existe uma importante convergência. E ela diz respeito à necessidade de deixarmos de ser apenas consumidores e reassumirmos nosso papel de cidadãos, sendo nós mesmos os protagonistas das mudanças necessárias para um futuro melhor e com mais qualidade de vida.

 

simplicidade 

The Minimalists: http://www.theminimalists.com/

 2 The Responsible Company - what we've learned from Patagonia's first 40 years. Yvon Chouinard & Vicent Stanley


Categoria: Artigo

Publicado em:

 
 
© 2011 Iniciativa Água na Jarra. Todos os direitos reservados - www.aguanajarra.com.br

 Busca   |   Contate-nos   |   Cadastre-se   |
By Redbit